Imprensa internacional destaca operação com 18 mortos no Complexo do Alemão

A imprensa internacional repercutiu a ação que deixou ao menos 18 mortos no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro nesta quinta-feira (21).

A operação teve destaque nas páginas de veículos como ABC News e Washington Post, dos EUA, France 24, da França, a agência espanhola EFE, o portal alemão da Deutsche Welle, a rede Al Jazeera, do Oriente Médio, a BBC de Londres, no Reino Unido, e as agências internacionais Reuters e Associated Press.

As notícias apontam o número de mortos, imagens de feridos sendo socorridos e corpos sendo transportados pela população local.

A Defensoria Pública e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do RJ mostraram preocupação depois de denúncias de omissão de socorro, o que foi negado pelas forças de segurança do estado em entrevista coletiva.

A Associated Press aponta que presenciou pelo menos 10 corpos sendo carregados em meio ao tiroteio que durou mais de 10 horas, e relata discordância da população com a estratégia do governo para conter a violência.

O jornal Washington Post apresentou uma imagem de um corpo sendo carregado em um carrinho de mão coberto por um lençol branco.

Washington Post repercute operação policial no Complexo do Alemão / Reprodução

O portal France 24 classificou a ação como uma “gigantesca operação para frear a política expansionista de gangues locais”.

Os veículos internacionais ainda citam as falas do governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, e do presidente Jair Bolsonaro.

A Al Jazeera trouxe a visão da Defensoria Pública que apontou “relatos de violação dos direitos humanos” no complexo.

A BBC de Londres ainda lembrou das operações anteriores no Jacarezinho e na Vila Cruzeiro, que deixaram mais de 20 mortos.

France 24 repercute operação policial no Complexo do Alemão. / Reprodução

Com sede na Alemanha, a Deutsche Welle cita que que a operação policial também teria evitado que mais de 100 suspeitos com réplicas de fardas policiais deixassem o Complexo do Alemão para realizar crimes em outras áreas da cidade, mas não deram maiores detalhes.

As informações foram repassadas para o veículo pela própria polícia do Rio de Janeiro.

Durante a operação desta quinta-feira (21/7), pelo menos 18 pessoas morreram, entre elas um policial militar que participava da incursão e uma mulher que não tinha relação com nenhum dos lados e acabou vítima de bala perdida.

A Polícia Militar e a Polícia Civil, que coordenaram a ação, negam violações de direitos, mas dizem não poder comemorar os resultados da operação por causa das mortes.

Fonte CNN Brasil

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!