Família acusa hospital de errar medicação e matar jovem de 24 anos em Cuiabá

Em abril, técnica de enfermagem já havia denunciado São Judas por negligência em tratamento de pacientes com Covid

saojudastadeu.jpg
Foto: Divulgação

A Polícia Civil instaurou um inquérito para investigar a morte de Lucas Gabriel Moura Silva, 24 anos, que faleceu nesta última quinta-feira (12) no Hospital São Judas Tadeu, em Cuiabá. A família do jovem acusa a unidade hospitalar de erro médico devido à prescrição de um medicamento.

De acordo com o boletim de ocorrência, por volta das 10h, a Polícia Civil por meio da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionada para liberar o corpo da vítima. No local, os policiais foram informados de que a família havia registrado um boletim de ocorrência sobre um suposto erro médico.

Segundo relatório, a vítima tinha histórico de tabagismo e havia dado entrada no hospital no dia 10 de agosto, se queixando de dores no peito. No mesmo dia, Lucas foi medicado e liberado pela unidade com uma receita médica.

Contudo, após ingerir a medicação receitada, o rapaz voltou a passar mal e teve uma crise convulsiva. Em seguida, ele foi levado novamente ao pronto socorro do hospital, onde a equipe médica constatou que o jovem não tinha pulsação e estava com as pupilas dilatadas.

O jovem acabou não resistindo e veio a óbito na unidade hospitalar. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia, que deve apontar a causa clínica da morte.

O caso foi registrado e será investigado pela Polícia Civil.

De acordo com o boletim de ocorrência, por volta das 10h, a Polícia Civil por meio da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionada para liberar o corpo da vítima. No local, os policiais foram informados de que a família havia registrado um boletim de ocorrência sobre um suposto erro médico.

Segundo relatório, a vítima tinha histórico de tabagismo e havia dado entrada no hospital no dia 10 de agosto, se queixando de dores no peito. No mesmo dia, Lucas foi medicado e liberado pela unidade com uma receita médica.

Contudo, após ingerir a medicação receitada, o rapaz voltou a passar mal e teve uma crise convulsiva. Em seguida, ele foi levado novamente ao pronto socorro do hospital, onde a equipe médica constatou que o jovem não tinha pulsação e estava com as pupilas dilatadas.

O jovem acabou não resistindo e veio a óbito na unidade hospitalar. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia, que deve apontar a causa clínica da morte.

O caso foi registrado e será investigado pela Polícia Civil.

Por meio de nota, o Hospital São Judas Tadeu informou que não dará detalhes sobre o caso. Afirmou apenas que o paciente já deu entrada na unidade em óbito.

OUTRAS DENÚNCIAS

Em abril deste ano, no auge da 2ª onda da Covid-19 no Estado, a técnica de enfermagem Amanda Benício denunciou o Hospital São Judas Tadeu por negligências no tratamento de pacientes infectados com o novo coronavírus. Segundo ela, o hospital estaria desligando o oxigênio de pacientes internados na unidade hospitalar. Amanda era funcionária do São Judas Tadeu.

“Se a Polícia, se o Coren entrarem lá, vão ver que ali dentro os pacientes sendo tratados de forma incorreta. Eles estão sendo intubados de qualquer jeito, chega a sair sangue pelo olho e pelo nariz. É muito feio de se ver” disse a enfermeira à época.

A denúncia da enfermeira é ivnestigada pela delegada Luciani Barros Pereira de Lima.

NOTA DO SÃO JUDAS TADEU

O Hospital São Judas Tadeu informa que, devido ao dever legal de sigilo, não irá detalhar o caso médico, todavia informa que o paciente já deu entrada na unidade em óbito. O Hospital esclarece que já se colocou à disposição da família e autoridades para qualquer esclarecimento.

Fonte: Folha Max

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.